Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, Homem



Histórico


    Categorias
    Todas as mensagens
     SaudePublica
     CronicaMemorialista
     MeioAmbiente


    Votação
     Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
     UOL - O melhor conteúdo
     BOL - E-mail grátis
     Brasilianas.org
     Pintando Musica


     
     
    Eduardo Bizon



     

    Anjos de Deus

     

    Hoje, 29 de dezembro de 2013, ao assistir o Esporte Espetacular da Rede Globo, eu, que tenho formação em engenharia cuja essencialidade é a racionalidade, e que não tenho por hábito me emocionar facilmente, por mais que eu me esforçasse para dizer que não, me peguei com os olhos lacrimejando. Trata-se da reportagem “Portadores de necessidades especiais superam dificuldades através do Tae Kwondo”, que fala sobre o projeto do policial militar de São Paulo, Marcelo Rezende, que treina gratuitamente esta modalidade de luta marcial nas instalações da Policia Militar. Tempos atrás ele foi procurado pela Fundação JK que propôs a ele o desafio de treinar também pessoas portadoras de necessidades especiais. O desafio foi posto em prática, e, hoje o Esporte Espetacular apresentou três dos beneficiados. O jovem Hugo que nasceu com paralisia cerebral, nunca andou, mas que após o treinamento começou a andar e hoje é faixa preta de Tae Kwondo. O professor de letras aposentado de cinquenta e um anos de idade que foi acometido de uma doença degenerativa que lhe tirou o movimento dos braços e que poderia espalhar para outras partes do corpo, mas, que com o treinamento estacionou a doença. E a menina Gabriela de seis anos de idade que nunca andou e que após iniciar o treinamento começou a gatinhar e mover as perninhas.

                 Depois de assistir à reportagem, comecei a refletir, e retornei seis anos no tempo. Sentei de fronte ao meu microcomputador para redigir este texto para compartilhar com outras pessoas a falta de sensatez dos nossos governantes para tudo o que se refere às pessoas portadoras de necessidades especiais.

                 No ano de 2007 fui por algum tempo conselheiro gestor do Parque do Trote, localizado no bairro de Vila Guilherme na cidade de São Paulo. Esse parque municipal antigamente pertencia à Associação Paulista de Trote, ou seja, era o local onde eram realizadas corridas de cavalos em charretes ou sulkys. Em 2005 a área foi desapropriada para que o local se transformasse no que hoje é designado de Parque do Trote. À época o prefeito de São Paulo era José Serra. Como Serra ambicionava o governo do estado precisariam acontecer muitas obras de modo a convencer a população da cidade de que se ele fosse um bom prefeito entre aspas poderia ser o futuro bom governador também entre aspas. Dessa forma o projeto do Parque do Trote que constaria de quatro fases foi contemplado com uma das obras que alavancaria na região votos para sua eleição a governador. Com auxilio financeiro da construtora que almejava construir dezoito torres de apartamentos na área vizinha ao Trote, o antigo Marte Center, foram realizadas sem muito planejamento as duas primeiras fases. As duas fases finais, depois de sete anos ainda não saíram do lugar. Nem Serra, nem Kassab e por enquanto nem Haddad mostraram suas intenções quanto à realização das duas ultimas fases.

                 A terceira fase corresponde à reforma e recuperação das cocheiras, bilheterias, arquibancadas do antigo hipódromo que foram tombados pelo patrimônio histórico da cidade. Infelizmente nada foi feito, e o que restou, tristemente, está praticamente em ruínas. A quarta fase, e agora que eu retorno ao inicio deste texto, consta em implantar a Equoterapia nas dependências do Parque do Trote.

                 A Equoterapia, aprovada pelo Conselho Federal de Medicina em 1997, é um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo para estimular o desenvolvimento de pessoas com deficiência e/ou necessidades especiais envolvendo profissionais das áreas de saúde, educação e equitação. É indicada para adultos e crianças com alterações físicas, psicológicas e sociais, e crianças com déficit de aprendizagem, hiperatividade e distúrbios comportamentais.  

                 Em 2007 levei em uma reunião ordinária duas representantes do IAD (Instituto Anjos de Deus), uma Organização Social de Interesse Público (OSCIP), representada pela pedagoga Mariluci Andrade e pela fisioterapeuta Rosana Cruz, onde foi exposto o trabalho que desenvolviam e também o interesse que tinham em poder somar esforços no atendimento gratuito à população carente da cidade que necessita desse tipo de tratamento.

                 À época, o IAD elaborou projeto detalhado demonstrando capacidade técnica para atender inicialmente 160 pacientes, dobrar em alguns meses para 320 e atingir a capacidade total de 600. Falaram da carência desse tipo de atendimento cuja fila de espera, na época, era de 900 pacientes que aguardam até cinco anos para o primeiro atendimento. Ressaltaram ainda que o Parque poderia se tornar referência em Equoterapia com possibilidades de parcerias com outros países adeptos, como a Itália, por exemplo. Ao final uma paciente do IAD, presente à reunião, sensibilizou, dizendo que quando estava sobre o cavalo, fechava os olhos, e tinha a grata sensação de estar caminhando normalmente com seus próprios pés.

                 Como eu disse anteriormente, fui conselheiro por pouco tempo do Parque do Trote. Depois de participar de algumas reuniões acabei me convencendo da minha saída. Constatei que alguns dos conselheiros eram ligados a partidos políticos e defendiam interesses de vereadores e desta forma acabavam dificultando o andamento de ações cujas únicas finalidades eram a de promover o bem estar social, principalmente da população carente. 

                 A Equoterapia é cara e só tem acesso uma minoria da população que tem alto poder aquisitivo para bancar o tratamento. E, por que não implantar esse tipo de tratamento gratuitamente à população menos favorecida? E, por que não implantar no Parque do Trote, conservando a tradição de suas concheiras que por tantos anos acomodaram cavalos de corrida de sulkys?

                 Agora, finalzinho do ano de 2013, nada se fala mais a respeito de Equoterapia no Parque do Trote. Quem sabe esse texto possa de alguma maneira chegar a ser lido por gente que se interesse pelo beneficio que muitas crianças e adultos portadores de deficiências possam vir a receber.

     



    Categoria: MeioAmbiente
    Escrito por Eduardo Bizon às 16h44
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



     
     

    O Estábulo

     

    Os anos vão se passando, os costumes mudam de acordo com a época, a gente vai se adaptando, se moldando, mas, alguns hábitos adquiridos pela influência de sábios professores que estamos sempre lembrando e não esquecemos jamais, continuam mantidos para todo o sempre. E foi assim que aprendi a ter gosto pela leitura de poesias e poemas, especialmente os de poetisas. A possibilidade de poder pelo menos tentar desvendar o sensível universo feminino é cativante e me agrada a leitura dos versos das brasileiras Cecília Meireles e Cora Coralina, da portuguesa Florbela Espanca e da chilena Gabriela Mistral. Um poema da poetisa chilena que retrata o nascimento de um menino trilhou o caminho para que eu viesse redigir este texto que proponho que seja uma crônica de natal ou qualquer coisa parecida.

            Farei um breve resumo sobre a história de Gabriela Mistral, tão conhecida dos povos da América do Sul. Nasceu numa pequena aldeia de Elqui, no Chile. Foi batizada com o nome de Lucila Godoy y Alcayaga. Seu pai abandonou a família quando ela ainda era pequena. A mãe viveu muitos anos e contou que surpreendia a filha sozinha a conversar com as aves e com as flores. Ainda jovem, com quinze anos, tornou-se professorinha na escola de sua aldeia. Aos vinte anos apaixona-se e casa-se com um homem simples, operário da estrada de ferro. Tempos depois ele a traiu e o destino o levou, pouco tempo depois, a interromper seus dias, suicidando-se. Tal faceta veio cumprir o destino da jovem camponesa. Os poemas escritos em memória do morto revelaram uma obra poética melancólica e apaixonada. Para seus alunos, a quem transferiu amor maternal, criou canções ingênuas e cantigas de roda. Numa estranha mistura de hinos religiosos e cantigas infantis, poemas com gosto de terra, sobre o pão e o vinho, o sal, o milho e a água, ofereceu a todos os povos sedentos do mundo o alimento de uma linda fonte que jorra limpidamente sobre seus corações. Em 1945 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura. Eis o poema:

    Ao chegar a meia-noite

    rompendo em pranto o Menino,

    cem animais despertaram

    e o estábulo se fez vivo.

     

    Acercaram-se estendendo

    para o lado do Menino,

    cem pescoços anelantes

    como um bosque sacudido.

     

    Um boi exalou-lhe ao rosto

    seu bafejo - mas sem ruído.

    E tinha olhos ternos

    a humildade do rocio.

     

    Uma ovelha o acariciava

    contra sua lã suavíssima.

    E as mãozinhas lhe lambiam

    de cócoras, dois cabritos.

     

    Pelas paredes do estábulo

    docemente espaireciam,

    bandos de melros e galos,

    de faisões e de palmípedes.

     

     

    Os faisões com reverência

    passavam sobre o Menino

    a grande cauda de cores;

    as aves de largos bicos.

     

    Vinham ajeitar-lhe as palhas;

    e dos melros o remoinho

    era um palpitante véu

    por sobre o recém-nascido.

     

    E a Virgem entre chavelhos

    e respiros brancacentos,

    ia e vinha tonta, sem

    poder tomar o Menino.

     

    E José chegava rindo

    para ocultar a mofina.

    E era como bosque ao vento

    o estábulo comovido.

                 Ao meu gosto não tem poema sobre a natividade mais cativante do que este que tem por título "O Estábulo". De maneira iluminada seus versos me induzem a refletir sobre as palavras simplicidade, humildade, generosidade, enfim, todas essas palavras do nosso idioma que rimam com a palavra bondade. O quadro singelo está aí pintado. É comovente o respeito e cuidado dos animais com a nova vida que vem chegando e a reação espontânea de alegria dos pais no interior do estábulo comovido.

                 Esse poema me faz lembrar minha mãe. Com seus oitenta e dois anos, nos dará o prazer, de celebrar mais vez o Natal em família. Dias atrás passei em sua casa. Ao entrar na sala a encontrei desembrulhando imagens envolvidas com papel jornal para armar o presépio que conserva a mais de cinquenta anos. Não me contive e iniciei minha participação na adorável tarefa. Montamos o presépio mais lindo do mundo, o mesmo presépio de minha infância, o mesmo presépio que tantas vezes nos cativou e que conserva a magia de nos fazer recordar momentos felizes.

                 Aos meus conhecidos e desconhecidos que vierem a ler este texto, é o meu desejo que encerrem o ano em família e muito felizes.   

     



    Categoria: CronicaMemorialista
    Escrito por Eduardo Bizon às 12h00
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



     
     

    Plano Diretor da cidade de São Paulo?

     

    Segunda-Feira, dia 09 de Dezembro, aconteceu uma plenária local para expor aos pouquíssimos presentes, as proposições daquilo que se pretende para a cidade de São Paulo nos próximos dez anos. Havia na quadra esportiva do clube municipal do bairro de Vila Maria, em torno de quinze representantes da população e o restante, para avolumar e causar falsa impressão de lotação, funcionários que trabalham na Subprefeitura.

     Eu, que não pude participar das reuniões que aconteceram anteriormente, resolvi comparecer desta vez para ouvir o que a principio chateou e ao final não convenceu. Ainda não será dessa vez que a cidade terá um Plano Diretor capaz de orientar o crescimento sustentável.   

     Uma arquiteta expos o que foi previamente preparado, falando em eixo disso e eixo daquilo, em zonas de preservação ambiental, em mobilidade urbana, em recuperação do centro, no tal do arco do futuro cuja área é delimitada pelos rios Tietê e Pinheiros e pelas ferrovias onde se concentram as indústrias, e, depois, voltou-se novamente a frisar os tais dos eixos numa linguagem tecnica de difícil entendimento aos leigos presentes. Eu que tenho formação em engenharia e que já participei de discussões do plano diretor traçado na época da prefeita Marta Suplicy, confesso que por alguns momentos fiquei boiando e ao mesmo tempo me perguntando: o plano diretor atual não deveria se espelhar nas propostas definidas no plano diretor de 10 anos atrás?  Ou pelo menos dar sequencia em alguns pontos fundamentais definidos naquela época como, como por exemplo, as questões que envolviam transporte coletivo (corredores e terminais intermodais, etc.)? Marta não foi reeleita e seus sucessores Serra e Kassab simplesmente ignoraram o que havia sido estabelecido e governaram mal a cidade à luz de suas opacas estratégias de falsos profetas. De outro modo, cada qual parece entender que deva começar do zero, não dando continuidade às propostas de seus antecessores.

     Havia dois vereadores na plenária. José Police Neto como mediador e Nabil Bonduki que é o relator do plano diretor. Depois da fala da arquiteta, pessoas do publico se inscreveram para se manifestar. Alguns fizeram um pouco de confusão para falar de saúde e outros assuntos não referentes ao plano diretor, mas, aproveitaram a oportunidade para expor as deficiências do sistema de saude e da ausência do senhor prefeito e do senhor secretario municipal de saúde que depois de um ano de governo ainda não visitaram a região. Outros falaram sobre a vocação, ou melhor, que é preciso desvendar qual o tipo de vocação da região de Vila Maria, além de que é preciso olhar com mais atenção para as comunidades de favela localizadas da região da Funerária. Outros sobre a linha do Metrô prevista para os próximos anos, e outros sobre o transporte de carga que é o problema mais grave e que causa um forte impacto nocivo à qualidade de vida da população, principalmente no que se refere ao Terminal de Cargas Fernão Dias e que o plano diretor deveria no mínimo prever sua desativação nos próximos anos.

     Ao término das falas, foi passada a palavra ao vereador Nabil Bonduki. E aí eu fiquei incomodado. Nabil, um dos sérios e confiáveis vereadores da atualidade, renomado arquiteto, professor da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP) e relator do plano diretor mostrou desconhecer os problemas causados pelas inúmeras transportadoras espalhadas pelos distritos de Vila Maria e Vila Guilherme e comunicou-nos que ainda teríamos mais uma semana para nos manifestar através do site da Câmara e propor alterações neste plano diretor que não prevê nem ao menos um corredor de ônibus para a região. Não é possível que apenas as zonas leste e sul da cidade sejam vistas pelo pessoal que traça o plano diretor. Na verdade, e aí é uma opinião particular, mira-se muito mais o potencial de voto das regiões que é para onde são direcionadas as propostas de melhorias.

     O cenário é complicado. Passado o primeiro ano de governo, o prefeito eleito ainda não mostrou para o que veio. Os vereadores da comissão relativa ao plano diretor desconhecem os reais problemas locais. Recuso-me falar a palavra esperança ou de que quem sabe no ano que vem tudo melhore, pois é ano eleitoral e coisa e tal. A população de São Paulo não quer ouvir falar de eixo de plano diretor disso ou daquilo. Os moradores da cidade querem ação, e, neste ano de 2013, o que viram foi uma inércia angustiante.

     



    Categoria: MeioAmbiente
    Escrito por Eduardo Bizon às 17h37
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



     
     

    A Cidade é meu Bairro

     

    Teve uma época em que eu redigia crônicas semanais para um jornal local, os chamados jornais de bairro da cidade onde resido, São Paulo. Costumava dizer, e continuo pensando da mesma forma, de que uma cidade enorme como São Paulo, subdividida por distritos, que por sua vez são subdivididos por incontáveis bairros e vilas e vielas e becos e perifericamente por favelas onde habitam em condições desfavoráveis milhares de pessoas que ao longo do meio do século passado para cá, e agora parafraseando o poeta Drummond, se proliferam mais do que formigas de um formigueiro infinito. E, que obviamente, cada bairro ou distrito da cidade pode ser considerado como outra cidade devido ao número de habitantes muitas vezes superior aos habitantes de várias outras cidades do país.

     Portanto, pelas dimensões estratosféricas da cidade, o meu universo de vida acaba se convergindo para o bairro onde moro, o que me leva a considerar que a cidade é o meu bairro, que a Vila Maria é a minha cidade, é a minha aldeia e que o rio que por aqui passa apesar de não ser o mais belo de todos, é o rio pelo qual eu luto para que se transforme no mais belo de todos.

     E assim eu vivo, lutando, militando de maneira utópica em movimentos populares em busca de melhorias para as áreas de saúde, de educação, de transporte e de lazer para as pessoas que coabitam esse universo juntamente comigo. Quando a gente fala assim, dá a impressão de que é fala de político oportunista, mas, não é não, e aí eu desabotoo a camisa e mostro o peito aberto em riste pronto para investir contra as fracas administrações que têm se sucedido ao longo das ultimas décadas.

     Dias atrás, embora eu tenha chegado ao finalzinho por motivos de trabalho, realizou-se a plenária do plano diretor para tentar fazer acontecer participação popular nas realizações da administração municipal na região em 2014. Participaram poucas pessoas. O que leva a crer que o PT perdeu a capacidade de aglutinar pessoas, isto comparado às administrações Erundina ou Marta, que anos atrás atraia um número bem maior de pessoas. Assim fica difícil dizer que as resoluções tiveram realmente participação popular.

     De qualquer forma, apesar de pouco, a área de saúde foi contemplada com duas obras. Uma delas é o projeto de construção da UBS Jardim Julieta, próximo ao Terminal de Cargas Fernão Dias, cuja luta popular reivindicando essa unidade foi iniciada em 2002 e se arrastou perseverantemente nos últimos 11 anos, para que finalmente acontecesse, ou melhor, deverá acontecer em 2014. Acho importante deixar registrado o nome de uma mulher lutadora, Neide Ramos, que iniciou com a cara e a coragem a reivindicação dessa obra tão necessária para a região.

     A outra obra na área de saúde, na verdade não é uma obra, mas sim a reforma do Pronto Socorro do Hospital Municipal Vereador José Storópolli, de codinome Hospital Vermelhinho, localizado no Parque Novo Mundo. Foi previsto a liberação do valor de R$ 3 milhões de reais para readequar o setor de emergência desse hospital que quando inaugurado no ano de 1992, havia sido projetado para atender 16 pacientes. Atualmente chega a atender 60 pacientes simultaneamente em local de área restrita o que obriga que essas pessoas que chegam lá em estado grave de saúde fiquem espalhadas em macas e cadeiras pelos corredores que circundam a sala de emergência. É importante frisar que se isso acontece é porque o Hospital Vermelhinho atende 100% SUS e não nega atendimento a ninguém, diferentemente de outros hospitais da região que deveriam fazer o mesmo e não o fazem. Mas, isso é um problema a ser resolvido pela Secretaria Municipal de Saúde.

     Quando me referi ao valor de R$ 3 milhões, eu tinha uma intenção, ou seja, a de dizer que esse valor é muito pouco para todas as necessidades estruturais de estragos que foram se acumulando desde a inauguração 21 anos atrás. Na verdade o hospital precisa no mínimo de R$ 10 milhões. Portanto a reforma do Pronto Socorro é apenas um paliativo que nos causa empolgação quando recebemos a noticia, mas, que depois de pensar um pouco não convence. De outro modo a liberação do recurso só acabou acontecendo pela luta incansável de mais uma mulher guerreira, Maria Regina da Costa e Silva, uma gigante cuja militância nos movimentos populares de saúde a possibilitou orgulhosamente de participar da construção desse hospital, e, que ainda continua participando intensamente como membro integrante de seu Conselho Gestor.

     Depois de praticamente um ano desde que Fernando Haddad assumiu como prefeito, até hoje, nem prefeito nem secretario municipal de saúde visitou a região, o que faz surgir anedotas na região de que eles nem sabem onde fica a Vila Maria. Imagino que se pelo menos o senhor secretario de saúde tivesse visitado o hospital, que é no mínimo uma obrigação, talvez ele tivesse podido concluir que não é só o Pronto Socorro que precisa de reforma. Acredito que o cargo de secretario de saude precisa ser mais dinâmico e menos burocrático. O secretário precisa sair mais do gabinete e se obrigar a conhecer pessoalmente as unidades sobre sua responsabilidade. Precisa ouvir mais a população e fazer menos reuniões. Se não fica naquela de só ouvir dizer o que seus coordenadores e assessores lhe transmitem da maneira que lhes convém.

     



    Categoria: SaudePublica
    Escrito por Eduardo Bizon às 16h17
    [ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]